Saúde: Direito e Capital Humano

Tornar a saúde acessível a todos os brasileiros é um dos maiores desafios para o desenvolvimento de nosso País.

A saúde é um direito fundamental, pois sem ela não há dignidade humana e o próprio direito à vida fica ameaçado. No entanto, o fenômeno da judicialização do acesso à saúde tem gerado distorções tanto no planejamento orçamentário da saúde pública como no equilíbrio dos contratos privados.

A saúde é também um capital humano indispensável para o desenvolvimento nacional. A falta de saúde compromete o desempenho escolar de uma criança, a ascensão profissional dos adultos e a produtividade dos trabalhadores e das empresas. A não prevenção de doenças e de epidemias acarreta, a cada ano, a oneração das finanças públicas em bilhões e bilhões de reais.

Em um país continental como o Brasil, marcado por tantas diversidades e desigualdades, o Sistema Único de Saúde (SUS), previsto em nossa Constituição Federal, é uma audácia de humanização e solidariedade, com enorme responsabilidade social e econômica. A Constituição também abre espaço para as instituições privadas, com ou sem fins lucrativos.

O objetivo deste Núcleo Temático – Saúde: Direito Fundamental e Capital Humano – é estudar a interação entre o direito essencial à saúde e a formação de capital humano, avaliando seus reflexos para o desenvolvimento do Brasil. Nossas pesquisas e debates sobre o acesso à saúde têm os seguintes pilares: 1) a educação para a saúde, com foco na prevenção de doenças e epidemias; 2) a gestão da saúde pública, com ênfase na qualificação profissional; 3) a harmonização de responsabilidades entre a saúde pública e a saúde suplementar.  

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on skype
Share on telegram